Um homem de 50 anos foi condenado a 26 anos de prisão, em sessão do júri promovida na última quinta-feira (22/10) na comarca de Içara. Segundo os autos, o crime aconteceu em fevereiro de 2019, quando o homem teria desferido contra a mulher socos, chutes e golpes violentos com instrumento contundente, que provocaram diversas lesões como trauma cranioencefálico e politraumas intensos, suficientes para a morte da vítima, que não teria esboçado reação por fazer uso de medicamentos controlados.

Durante a madrugada, o homem acionou o atendimento médico de urgência e alegou que a mulher estava desacordada há muitas horas, e que teria ingerido uma grande quantidade de remédios numa suposta tentativa de suicídio. Porém, segundo os depoimentos dos socorristas, o corpo apresentava marcas de violência, além de sinais de rigidez que indicavam que a morte havia ocorrido há mais de oito horas. Já o laudo pericial cadavérico apontou diversas lesões, fraturas em ossos, feridas no rosto, cabeça, tronco e membros, além de queimaduras de 1º grau.

O Conselho de Sentença reconheceu como qualificadoras do homicídio: emprego de meio cruel e tortura, recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio. O réu foi condenado a 26 anos de reclusão em regime inicial fechado. Cabe recurso da decisão (Ação Penal n. 0000364-78.2019.8.24.0028).

0 Comentários

Comente essa publicação