Na última quinta-feira (9), faleceu em Criciúma, o pastor José Sulino Lopes do Nascimento, que estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São José.

Ele foi vítima de uma parada cardiorrespiratória depois de complicações pulmonares que vieram após uma cirurgia que fez no pulmão.

O sepultamento aconteceu no Cemitério Municipal de Criciúma em uma cerimônia aberta, restrita apenas à presença de familiares, alguns amigos e discípulos. Isto em virtude das exigências das autoridades de saúde por causa do atual protocolo do covid-19.

“Meu pai era pastor, foi professor de Psicologia, História e Moral e Cívica, e foi de lá que ganhou grande parte de seus discípulos”, contou a filha Débora.

 

 

 

HISTÓRIA DEDICADA AO EVANGELHO

 

José Sulino Lopes do Nascimento é sulmatogrossense, natural do município de Três Lagoas (MS), e nasceu em Nascido no dia 27/12/1950.

Passou sua infância, adolescência e parte da vida adulta na cidade de São Paulo, onde trabalhou como desenhista técnico.

Foi nesta passagem pela capital paulista que ingressou no estudo de Teologia no ano de 1974 e onde conheceu sua primeira esposa.

Depois do término do curso, acabaram se casando e iniciaram o ministério pastoral com a bênção do seu então sogro, reverendo Jessé Alcântara. O casal iniciou a vida ministerial em Gurupi, no Estado de Tocantis, à época pertencente ao Estado de Goiás.

Em 1976 nasceu sua primeira filha. Dois anos depois, em 1978, mudaram para a cidade de Paraúna, Goiás. No mesmo ano, nasceu, em Palmeiras de Goiás, sua segunda filha.  E, no ano seguinte, em Abril de 79, nasceu sua terceira filha.

Pastor José passou a se dedicar por período integral à igreja. Residia nos fundos da Igreja Cristã Evangélica. Lá ficaram por um período de mais ou menos 7 anos.

Em 1986 se mudaram para a capital de Goiás, cidade de Goiânia. Nesta época, conheceu o Ministério Comunidade Evangélica, que mais tarde se tornou Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra.

“Nasce um desejo e paixão por ser enviado às nações. Foi então que conheceu os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Ficou à partir desse período com o coração queimando por ser enviado para ser missionário”, conta a filha.

No ano de 1992, foi enviado para Santa Catarina, onde iniciou um ministério com poucas pessoas, porém, que demonstraram o desejo de caminhar sob os princípios cristãos. Nesta época, Sulino passou a fazer reuniões caseiras (ou seja, para pequenos grupos), até que houvesse um número suficiente para abrir uma sede da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra em Araranguá, onde permaneceu como pastor por 23 anos.

Em 2016, o pastor José Sulino e sua família se desliga do Ministério Sara Nossa Terra, e passa a se dedicar aos estudos das raízes judaicas. 

No ano de 2019, iniciou uma faculdade da História do Judaísmo, o qual era apaixonado e totalmente comprometido.

 

 

 

HOMENAGEM PÓSTUMA

A apóstola Gerusa Fogaça, do Ministério Vida para as Nações, de Araranguá, que, com seu esposo, o apóstolo José Fogaça (in memorian), congregaram junto da família do pastor Sulino no Ministério Sara Nossa Terra, fez prestou uma homenagem ao amigo.

 “A nossa vida é feito de decisões tomadas, de momentos bons e tristes, e ciclos que se iniciam e se encerram. Diante do Reino de Deus alguns tomam a frente e se tornam despenseiros, desbravadores e ministros. Correr a carreira e guardar a fé, se torna o ato de valer a pena viver esse evangelho tão desafiador e prazeroso. Hoje a terra perde um guerreiro para os céus, volta pra casa um filho. Alguém que labutou e tornou real a edificação de um evangelho precioso no coração de muitos. Aqui a nossa homenagem a esse pioneiro e indesistível nas batalhas. O tempo passou e seu descanso chegou. No nosso coração a saudade, na nossa memória, as lembranças.  No nossos olhos ouvidos e mãos a continuidade desse legado. Se vai um guerreiro. Se planta uma semente. Até a eternidade nosso amado Pastor José Sulino”.

0 Comentários

Comente essa publicação