ECONOMIA, SAÚDE E EDUCAÇÃO

O Fórum Parlamentar Catarinense fez reunião nesta quinta-feira (21) em São João Batista. Parlamentares, Governo do Estado, entidades e Governo Federal debateram os impactos causados pela pandemia em diversos setores. O coordenador do Fórum, deputado federal Daniel Freitas (PSL ) e a vice-governadora Daniel Reinehr (sem partido), estiavam no local, e os deputados federais e senadores participaram por videoconferência, com o governador Carlos Moisés (PSL), presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Júlio Garcia (PSD), ministro da Educação, Abraham Weintraub, Diretor de Programa da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde, Jorge Luiz Kormann, e o Secretário Executivo do Ministério da Economia, Marcelo Pacheco dos Guaranys. “A Covid-19 instalou uma crise social e econômica sem precedentes e de efeitos ainda incertos. Estamos diante de uma redução brusca do faturamento das empresas e isso exige a tomada de medidas para a sobrevivência dos negócios pois, assim, preserva-se também a saúde financeira dos cidadãos”, ressaltou Freitas. Só o polo calçadista local, teve mais 2,9 mil trabalhadores dispensados e queda de 70% na produção. As principais reinvindicações do setor calçadista são a suspensão do pagamento dos tributos federais durante a pandemia, a postergação dos vencimentos de empréstimos – financiamentos nos bancos públicos, a criação de uma linha de crédito para capital de giro das empresas e a alteração do Reintegra para o seu teto de 5%, e ampliação da desoneração das folhas de pagamento e a prorrogação da validade das medidas que permitem a suspensão de contratos de trabalho ou a redução das jornadas de trabalho. O governo federal acenou com possível abertura de crédito.

 

 

COM OS PODERES E GOVERNADORES

Dia 21 de maio é o Dia da Língua Nacional. Talvez por isto, depois de muitos dias é os governantes tiveram um dia de entendimento. Falavam a mesma língua. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), reuniu presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM) e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), com governadores. Claro que é porque o objetivo era comum a todos: congelar o salário dos servidores até 2.021. Mas, o que vale é que se desarmaram e passaram a conversar, o que é um bom para o democracia. Em meio a uma crise da saúde, chega de guerra, de brigas políticas.

 

NA CPI DO RESPIRADORES

A cada depoimento dado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga a questão dos respiradores de R$ 33 milhões, a situação só piora. A oitiva de testemunhas desta quinta-feira (21) apertaram ainda mais o Governo. Cada um tira da reta e joga pro outro. A mais esperada oitiva é a de terça-feira (26), de Diego Borba, Helton Zeferino e Márcia Pauli. Para as próximas sessões a CPI também irá ouvir o secretário André Motta Ribeiro e o CEO fundador da empresa Exxomed Equipamentos, Onofre Joaquim Rodrigues Neto.

 

MANDETTA E ZANOTTO

Na live da Unesc, da reitora Luciane Ceretta, com os deputados federais Carmem Zanotto (Cidadania) e Luiz Henrique Mandetta (MDB), a coluna perguntou quando vai mudar a tabela SUS, que não é mexida há 20 anos, o ex ministro disse que o certo ao discutir o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) é discutir os contratos, as contratualizações.

 

HRA TERÁ 29 LEITOS DE UTI

O senador Dário Berger (MDB) foi o portador da boa informação de que serão habilitados 125 novos leitos de UTI/adulto em Santa Catarina. 10 deles serão para o Hospital Regional de Araranguá, que tinha 10, aumentou para 16 e já está com 19. Passará a ter 29 leitos a partir do aporte do Governo Federal. O custo diário por UTI será de R$ 1,6 mil por 90 dias, o que render para o HRA quase de R$ 1,5 milhão aos cofres do IMAS.

*NOVA NOTA SERÁ PUBLICADA COM REPARO EM ALGUMAS INFORMAÇÕES.

 

SINE SEM PROTEÇÃO

Falta Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os atendentes de Araranguá do Sistema Nacional de Emprego – SINE. A agência retornou ao trabalho dia 20/04 e depois de um mês, dia 21/05, recebeu duas máscaras por atendentes, mesmo sendo o SINE decretado pelo Governo do Estado como trabalho essencial.

 

O PORQUE DOS CARGOS

O Samae de Araranguá conseguiu a aprovação da criação de cargos na Câmara de Vereadores, que tinha a aprovação do Sindicatos dos Servidores. A contratação de novos servidores é por causa do aumento da demanda de serviços, ajuste de funções não mais existentes e ainda para reposição de outros que se aposentaram.

 

LALE JÁ ESTAVA FORA

O prefeito de Maracajá, Arlindo “Lale” Rocha (sem partido), que era um dos vice-presidentes do Criciúma Esporte Clube, deixou o cargo antes da saída de Jaime Dal Farra. Isto porque o clube pleiteava recursos federais e ter um político ocupante de cargo na diretoria era fato impeditivo.

0 Comentários

Comente essa publicação